Por Gabriela Tlaija Ramos: Luz, trevas e Corpo

| |

O convite Cris Carboni além de me deixar muito feliz, me fez conectar com a admiração e gratidão que tenho pelo seu trabalho como fisioTerapeuta, (esta grafia é intencional). Cris cruza as fronteiras do seu campo de conhecimento, percebendo seus pacientes com uma perspectiva integrativa, perspectiva esta tão urgente para a saúde de um ser humano.

Cris e eu trocamos muitas figurinhas na nossa trajetória profissional: eu como Naturóloga, massoterapeuta e estudante de psicoterapia e ela com seu encantador ofício de FisioTerapeuta especialista em assoalho pélvico. Viajamos juntas na multiplicidade de níveis que um sintoma, doença, disfunção, incómodo ou qualquer que seja o nome que queiramos dar, contem. Por isso vou aproveitar este espaço para refletir sobre o aspecto psíquico do mal-estar do corpo. Ampliemos o olhar, mais além de músculos, pele, articulações e órgãos. Resgatei um livro que li faz algum tempo ,no qual o autor John P. Conger faz uma reflexão genial, utiliza dois mestres da psicologia : Carl Gustav Jung e Wilhelm Reich, para falar sobre o tema do corpo. O livro se chama “O Corpo como Sombra” . Vou seguir o mesmo roteiro proposto por este autor para expor a ideia que motiva este texto.

Jung e Reich

Não me estenderei em apresentá-los, mas tenhamos como informação relevante que ambos foram psicanalistas, seguidores de Freud, o primeiro, fascinado pelo mundo do Inconsciente e o segundo sobre a sexualidade e seu papel fundamental em nossas vidas, sexualidade esta que existe desde o nosso nascimento. Os dois logo romperam com Freud e seguiram construindo seu próprio corpo teórico e clínico no mundo da psicoterapia. Por que Jung e Reich? Por que ambos trabalharam com a ideia da integração corpo-psique, e que os sintomas do corpo podem ser facilitadores para a toma de consciência de aspectos escondidos de nós mesmos, bloqueios que impedem a livre circulação de nossa energia, rumo à satisfação, autenticidade e espontaneidade.

Para Jung o Ego é um fragmento de nossa psique, nossa totalidade é descrita como Self, os aspectos negados de nós mesmos, ou seja não aceitos pelo ego, são reprimidos e guardados na Sombra, no sentido daquilo que não está à luz de nossa consciência, ou seja, vão para um plano inconsciente. Ele dizia que os sintomas físicos e psíquicos não são nada mais do que manifestações simbólicas de conflitos internos. Jung considerava a espiritualidade e sexualidade polaridades da psique humana.

As ideias de Reich sobre sexualidade foram centrais ao seu pensamento ao longo de toda sua carreira. Ele acreditava que todas as neuroses eram causadas por uma ligação doentia entre um conflito psíquico e a energia sexual contida, que o bloqueio da força vital nos próprios tecidos do corpo era a causa da miséria psíquica do homem e do mundo.

Reich percebeu que a hipertensão muscular e as atitudes do caráter serviam à mesma função psíquica: eram funcionalmente idênticas e não podiam ser separadas. Este estabeleceu correlações entre a sintomatologia orgânica e psíquica.

A Sombra e o corpo como Sombra

A psique do homem, como microcosmos do mundo, contem os opostos luz e treva simbolicamente. Aquilo que é negado é lançado no inconsciente e vive seu segredo na sombra da vida da pessoa. Quando a cultura cinde os opostos do homem, nega a sombra e exalta as virtudes masculinas sobre as femininas, está fadada às guerras e o lado escuro, por tanto tempo silenciado, irrompe após longa supressão. Reich considerava o mal uma camada secundária, originária da perversão da expressão livre e plena do instinto sexual; Jung considerava-o de modo mais global.Todos temos um lado sombrio e uma contraparte masculina ou feminina em nós, o animus ou a anima, criada no impulso natural da lei dos opostos. A integração da sombra é essencial no caminho do crescimento.

Estritamente falando, a sombra é a parte reprimida do ego e representa aquilo que somos incapazes de reconhecer sobre nós mesmos. O corpo que se oculta sob as roupas costuma expressar, de forma ostensiva, aquilo que negamos conscientemente. Na imagem que apresentamos aos outros é frequente que não queiramos demonstrar nossa raiva, nossa ansiedade, nossa tristeza, nossos bloqueios, nossa depressão ou nossa carência.

De fato o corpo É a sombra, na medida em que contém a trágica história de como o surgimento espontâneo da energia vital é morto e rejeitado de cem diferentes maneiras, até que enfim o corpo se torne um objeto sem vida. O corpo guarda o arquivo de nosso lado rejeitado, revelando o que não ousamos falar, expressando nossos temores, passados e presentes. O corpo como sombra é predominantemente o corpo como caráter, o corpo como energia contida que não é reconhecida, não é constatada, é ignorada e indisponível. Num sentido mais estrito, portanto, o corpo como sombra representa o corpo de couraça, expressando aquilo que foi reprimido pelo ego.

O corpo é mais do que a Sombra

Dizer que o corpo é mais do que a sombra é renunciar ao pessimismo reafirmar o ser vivo do homem. Nossa cultura desqualificou o individuo, e por isso olhamos para os corpos, não para as pessoas, nas revistas por exemplo. A sexualidade tem sido associada ao indesejável elemento animal, força demoníaca que corrompe a verdadeira natureza espiritual dos homens. O corpo que é mais do que a sombra não está restrito à juventude à perfeição ou à pureza, mas inclui aqueles que fizeram a jornada interior e enfrentaram sua sombra. O corpo fatigado, que impõem suas próprias limitações às considerações da mente consciente, que parece desenvolver, aleatoriamente, uma tendência, uma fraqueza, uma incapacidade, representa um Self vivo total. Sem o corpo, a sabedoria do Self não pode ser conhecida.

Por isso sou grata à pessoas como Cris Carboni, que recebe as indivíduos e não corpos, facilitando um olhar amoroso àquilo que gera sofrimento, de maneira que possamos acolher o que revela o corpo, construindo uma vivencia mais coesa, inteira.

 http://gabrielaterapias.jimdo.com/

1 comentário em “Por Gabriela Tlaija Ramos: Luz, trevas e Corpo”

  1. muito bom…o caminho é este,INTEGRANDO MENTE & CORPO!!! grata por compartilhar! abs

    Débora Beckner-fisioterapeuta(crefito 5949/F) Mestre em Ciências da Reabilitação UEL/UNOPAR Contato:(043) 88474880 deborabeckner@hotmail.com

    Date: Thu, 3 Jul 2014 02:36:55 +0000 To: deborabeckner@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *